sábado, novembro 17, 2012

Honda GL1800 Goldwing








Foi em 2001 que a Honda elevou a fasquia no segmento de “Grand Turismo” com a sua Goldwing.  E até aos dias de hoje essa fasquia permanece inultrapassada. Pode haver motos que até se possam comparar, mas no conjunto, a Goldwing permanece líder da sua própria e exclusiva classe!
Por isso são um investimento que se mantém valorizado a níveis incomparáveis no mundo das motos usadas. Mesmo quando se fala de unidades com mais de dez anos e com muitas centenas de milhar de quilómetros já rodados.
A comprová-lo estão as legiões de fãs que pelo mundo fora se mantêm mais do que fieis, apaixonadas pelo conceito, e que se organizam em clubes e federações, criando laços de amizade que incentivam os seus membros a devorar milhares de quilómetros para encontros e reencontros. Isto sem falar nas centenas de Goldwing’s moto táxi existentes em Paris. Basta perguntar a qualquer passageiro que nela tenha andado, qual a moto mais confortável do mundo?

Com 1832 cc, 117 cv às 5500 rpm e 17 kgf/m às 4000 rpm, o motor de seis cilindros opostos garante muita potência e uma subida de rotação contundente.
E em 5ª velocidade consegue impulsionar-nos desde os 20 aos mais de 220km hora, sem qualquer queixume. A nós e aos respeitáveis 421 kg de peso que reclama na balança.
Ao enrolar o punho esquerdo a entrega do binário é suave, linear e, dependendo da amplitude do movimento, todo o conjunto responde com souplesse e elegância, sem quaisquer vibrações.
Apenas existe alguma sensação de peso nos primeiros instantes, que desaparece mal começa o movimento. Rapidamente nos esquecemos do tamanho do conjunto e começamos a conduzir como se estivéssemos aos comandos de uma qualquer utilitária. A ciclistica é firme, incitando a ritmos desconcertantes para tanto peso. E ainda assim, na saída das curvas, é preciso ter cuidado com o punho se não queremos perder a compostura digna de tal veículo, e começarmos a sair das curvas em “power slide”. A travagem impressiona, pela potência e pelo comportamento, sendo o C-ABS uma preciosa ajuda que nos transmite imensa confiança, mesmo em pisos escorregadios.





Para 2012, a Goldwing foi revista. A sua carenagem, sobretudo a parte traseira, foi redesenhada com recurso a túnel de vento, para poder oferecer um melhor desempenho dinâmico, sobretudo no que diz respeito a proteção aerodinâmica e a estabilidade a alta velocidade…

Também a capacidade de carga foi melhorada, sendo agora de 150 litros, com a capacidade das malas laterais a permitir guardar um capacete integral em cada uma delas, apesar de a “top-case” ter capacidade para albergar ambos em simultâneo.

O sistema de navegação, tem um novo ecrã de alto brilho e uma maior capacidade de recepção de sinal, permite ainda que o proprietário possa definir a sua rota e recolher os dados de viagem no seu PC, através de um simples e acessível SD Card. Pena que ao sistema apenas se possa aceder com a moto parada, pois em andamento só dápara fazer “zoom” no mapa, num comando disponível no satélite do punho esquerdo.
O equipamento de audio também foi melhorado e o som pode ser escutado com qualidade, a velocidades muito superiores às permitidas pelo código da estrada.












No entanto, um pára-brisas de regulação elétrica era muito bem-vindo! E um controlo de tração também. Um pouco mais de inclinação lateral em curva era fantástico e uma embraiagem DCT de nova geração, para proporcionar uma caixa automática, então era mesmo do outro mundo. Mas não se pode ter tudo!

Existem incontáveis acessórios que permitem aperfeiçoar e adaptar a Goldwing a todos os gostos e necessidades. Desde os de caráter meramente estético até aos que potenciam a longevidade dos componentes, ou aos que aumentam o conforto e a capacidade de carga, encontra-se de tudo; até reboques de elevadas prestações dinâmicas, que permitem aumentar a capacidade de carga para níveis inimagináveis numa moto, sem comprometerem minimamente o desempenho e o dinâmico ou o desembaraço no trânsito.



Tal facto tive a oportunidade de comprovar, aos comandos de uma outra Goldwing, equipada com um reboque basculante da marca francesa Geiko, gentilmente cedida pela MOTODIANA (concessionário Honda de Évora especializado em Goldwing’s), que me surpreendeu pela positiva ao circular em diversos tipos de piso, de estrada e ritmos de andamento. Até mesmo no meio das ruas do centro histórico de Évora!
Obrigado pela experiência amigo Zé Caniço!







A Honda, acaba de apresentar na EICMA, o Salão de Milão, a nova Goldwing F6B. Uma "bagger" com um aspeto fantástico, numa base igual à da GL 1800, submetida a uma séria operação estética.

Sem comentários: