domingo, Novembro 07, 2010

Fakeer See - European Bike Week






Arredores de Salzburgo, Áustria. Madrugada chuvosa. Cabeça ainda meio azoada pelos excessos do serão anterior (dia da viagem e da reunião com os demais colegas jornalistas), e pelas poucas horas de sono.
Pequeno-almoço às sete. Briefing às oito. Vestir o equipamento de chuva. Encontro no lobby do hotel para escolher a montada ainda antes das nove. A chuva insinuava-se.
Os muitos cromados das Harley Davidson que enchiam o parque de estacionamento do Sheraton (creio que havia uma centena delas) apenas reflectiam um esgar da sua graça. Debaixo de um céu cinzento, havia para todos os gostos. Grandes e grossas, esguias e anoréticas. Confortáveis e nem por isso.
Havia que escolher uma companheira para o dia. Gides, Softails… Hummmmm… Senti aquela sensação de miúdo numa loja de doces. Mas com chuva, frio, estrada de montanha, trezentos quilómetros de percurso, hora de chegada prevista tardia, mochila às costas com máquina fotográfica, lentes, roupa seca e objectos pessoais… Hummmmm… Usei a lógica como conselheira.
A Heritage cinzenta foi a eleita! Rodas eficazes, mais leve, mais baixa, grande ecrã, bons faróis! Partida com o grupo de jornalistas Iberos.

As irrepreensíveis estradas austríacas apresentavam-se apenas húmidas. Não chovia. Eventualmente pingava. O alcatrão da “Österreichische Romantikstrasse” seguia pelo meio de um vasto jardim onde nada se apresentava descurado. As cidades impecáveis, limpas, ordenadas. A sinalização de primeira. Os condutores conscientes da sua responsabilidade. As vacas, ex-libris da Áustria, estavam por todo o lado. Por vezes, o seu cheiro também. O ritmo calmo até permitia apreciar a paisagem: Grandes montanhas, muitos lagos, bosques a perder de vista, prados intermináveis. Até quase me esqueci que detesto andar em grupo.
De repente, no meio do bosque, uma cancela. Era o início da Weissenbach, uma estrada privada que nos leva pelo alto vale de Postalm passando pelo Parkplatz Schizentrum até Pilch.
A fome já apertava, por isso a paragem para almoço em Annaberg impunha-se. Entre Wursten, Schnitzel e Strudel os apetites satisfizeram-se. A viagem prosseguiu pela estrada 166. Ignorámos a A10 e seguimos pela 99 que nos presenteou com a passagem pelas estâncias de Ski de Obertauern e por Twenger Talpass até Krems.

Uma pequena paragem numa pequena hospedaria enfeitada com flores permitiu comentar os troços com mais de 15% de inclinação que tínhamos acabado de percorrer. Um cafezinho e um cigarro fizeram o resto.
Já quase ao final do dia entramos na Nockalmstraße. Durante 35 quilómetros os olhos não tiveram descanso. A paisagem é realmente bonita. O fim do dia aproximava-se e o frio fazia-se sentir. O Lago Faak já estava perto, começava a ver-se muitas motos nas estradas, mas não “cheirava” a concentração.

À edição de 2010 do European Bike Week, compareceram 100.000 pessoas em 80.000 motos, ordeira e calmamente, sem supervisão específica das forças da ordem, avançando civilizadamente sem “ratretes” nem “burnouts”, “gazadas” ou “cavalinhos”. A sensação que tive é que estava a entrar em Fátima, num daqueles dias 13. Depois pensei que, afinal, esta até era uma experiência religiosa.

Sem comentários: